Retrato do autor

Federico Finchelstein

Autor(a) de A Brief History of Fascist Lies

11 Works 171 Membros 6 Críticas

About the Author

Federico Finchelstein is Professor of History at the New School for Social Research and Eugene Lang College in New York City. He is the author of several books, including Fascist Mythologies, From Fascism to Populism in History, Transatlantic Fascism, and The Ideological Origins of the Dirty War. mostrar mais He contributes to major American, European, and Latin American media, including the New York Times, the Washington Post, the Guardian, CNN, Foreign Policy, Clarn, Corriere della Sera, Nexos, and Folha de S. Paulo. mostrar menos

Obras por Federico Finchelstein

Etiquetado

Conhecimento Comum

There is no Common Knowledge data for this author yet. You can help.

Membros

Críticas

Este livro começa por prometer muito, mas depois não cumpre a promessa. Entre alguns capítulos interessantes surgem outros deveras desinteressantes.
“Hoje assistimos a uma vaga de novos líderes populistas» (18). O autor constata mas não justifica. A verdade é que a democracia liberal fornece munições aos populismos ao transformar em verdade as mentiras da propaganda destes. A imigração quase irrestrita e o asilo a povos não imbuídos dos valores e cultura ocidental são dois exemplos.
“A verdade está sempres subordinada ao poder” (18). Contudo, o grau dessa subordinação pode ser utilizado para medir o nível de totalitarismo numa sociedade.
A questão da definição de verdade é fundamental em propaganda, sobretudo na fascista. Os fascistas arvoram-se em detentores da verdade ao proclamarem que todos os outros defendem falsidades e mentiras.
O autor recorre muito a Hannah Arendt, com o mérito de até a tornar compreensível. Porém, não se compreende que o autor tenha recorrido aos pseudo-fascismos de Argentina, México e Brasil para justificar as suas teorias. Será que o fascismo europeu contemporâneo não se enquadra em tais teorias? Se sim, a escolha dos casos foi infeliz; se não, quem quer saber?
O fascismo constrói-se em aliança com a religião, contra a religião ou em substituição desta? O autor indicia estas três situações, mas que parece que ele próprio está confuso relativamente à conclusão a extrair.
… (mais)
 
Assinalado
CMBras | 3 outras críticas | Apr 27, 2021 |

You May Also Like

Estatísticas

Obras
11
Membros
171
Popularidade
#124,899
Avaliação
½ 3.3
Críticas
6
ISBN
36
Línguas
4

Tabelas & Gráficos