Página InicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquisar O Sítio Web
Este sítio web usa «cookies» para fornecer os seus serviços, para melhorar o desempenho, para analítica e (se não estiver autenticado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing está a reconhecer que leu e compreende os nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade. A sua utilização deste sítio e serviços está sujeita a essas políticas e termos.

Resultados dos Livros Google

Carregue numa fotografia para ir para os Livros Google.

A carregar...

A Clockwork Orange (1962)

por Anthony Burgess

Outros autores: Ver a secção outros autores.

MembrosCríticasPopularidadeAvaliação médiaDiscussões / Menções
25,786386120 (3.99)1 / 722
Told through a central character, Alex, the disturbing novel creates an alarming futuristic vision of violence, high technology, and authoritarianism. A modern classic of youthful violence and social redemption set in a dismal dystopia whereby a juvenile deliquent undergoes state-sponsored psychological rehabilitation for his aberrant behavior.… (mais)
  1. 342
    1984 por George Orwell (wosret)
  2. 262
    Brave New World por Aldous Huxley (MinaKelly)
  3. 151
    One Flew Over the Cuckoo's Nest por Ken Kesey (lucyknows, Gregorio_Roth, Gregorio_Roth)
    lucyknows: One Flew Over the Cuckoo's Nest by Ken Kesey may be paired with A Clockwork Orange by Anthony Burgess or The Outsider by Albert Camus. All three novels explore the them of society versus the individual.
  4. 122
    The Handmaid's Tale por Margaret Atwood (wosret)
  5. 62
    The Stranger por Albert Camus (SanctiSpiritus)
  6. 63
    Riddley Walker por Russell Hoban (fugitive)
  7. 30
    Hoppla! 1 2 3 (French Literature) por Gérard Gavarry (bluepiano)
    bluepiano: Central character is another criminally violent leader of a gang of youths. Here too the gang use slang terms of the author's devising. Less violence, a less straightforward narration, & to me a more interesting book.
  8. 41
    A Boy and His Dog [short fiction] por Harlan Ellison (artturnerjr)
    artturnerjr: Futuristic ultraviolent teenage blues
  9. 20
    Brighton Rock por Graham Greene (John_Vaughan)
  10. 20
    The Midwich Cuckoos por John Wyndham (SnootyBaronet)
    SnootyBaronet: Teddy boys
  11. 10
    In the Penal Colony por Franz Kafka (aprille)
  12. 32
    Cloud Atlas por David Mitchell (sturlington)
  13. 87
    The Catcher in the Rye por J. D. Salinger (SqueakyChu)
  14. 10
    Rubicon Harvest por C. W. Kesting (Aeryion)
    Aeryion: The sub-culture of designer drug use and it's effect on the gritty society within Rubicon call back to A Clockwork Orange like an anesthetized echo. The prevalent use and abuse of the potent designer neurocotic Synth and the language (Illuminese) that the addicts speak amongst themselves is a brilliant homage to Burgess's original genius! This story gave me shivers as I read through the vivid hallucinatory narrative. A must read for every fan of the genre!… (mais)
  15. 00
    Native Son por Richard Wright (Sammelsurium)
    Sammelsurium: Both of these classic novels sympathetically portray main characters who commit horrific crimes and thereafter suffer under flawed criminal justice systems. They are written from quite different perspectives, but focus on similar themes of criminal responsibility and reform.… (mais)
  16. 00
    Escape from Spiderhead {story} por George Saunders (aprille)
  17. 00
    The Butcher Boy por Patrick McCabe (kjuliff)
  18. 01
    Marabou Stork Nightmares por Irvine Welsh (SqueakyChu)
  19. 01
    A Dead Man in Deptford por Anthony Burgess (Utilizador anónimo)
  20. 13
    The Loneliness of the Long Distance Runner por Alan Sillitoe (thatguyzero)

(ver todas as 20 recomendações)

1960s (6)
Read (92)
Teens (7)
A carregar...

Adira ao LibraryThing para descobrir se irá gostar deste livro.

» Ver também 722 menções

Inglês (360)  Espanhol (7)  Francês (4)  Alemão (3)  Italiano (2)  Português (Brasil) (2)  Sueco (2)  Dinamarquês (1)  Português (1)  Finlandês (1)  Holandês (1)  Todas as línguas (384)
Mostrando 1-5 de 384 (seguinte | mostrar todos)
Il significato di Arancia Meccanica è complesso e sfaccettato, e si presta a diverse interpretazioni. Ecco alcuni dei temi principali che emergono dal romanzo:

Violenza e libero arbitrio: Alex, il protagonista, è un giovane che compie atti di violenza gratuiti. La sua "cura" lo rende incapace di provare piacere dalla violenza, ma lo priva anche del libero arbitrio. Il romanzo ci interroga sulla natura della violenza, sul ruolo del libero arbitrio e sulla possibilità di riabilitazione.

Condizionamento sociale: Alex è un prodotto della sua società, che è permeata da violenza e brutalità. Il romanzo ci invita a riflettere sul modo in cui la società ci influenza e sulle nostre responsabilità individuali.

Bene e male: La dicotomia tra bene e male è sfumata in Arancia Meccanica. Alex non è un cattivo assoluto, e le sue vittime non sono completamente innocenti. Il romanzo ci costringe a mettere in discussione le nostre convinzioni morali e a interrogarci sulla natura del bene e del male.

Linguaggio: Burgess utilizza un linguaggio inventato, il "nadsat", che riflette la cultura giovanile e la violenza del mondo di Alex. Il linguaggio è uno strumento di potere e controllo, e il romanzo ci mostra come può essere usato per manipolare e alienare le persone.

Identità: Alex è alla ricerca di una sua identità, e la sua violenza è un modo per affermarsi. Il romanzo ci invita a riflettere sul significato di identità e sul ruolo che la violenza gioca nella sua formazione.

Utopia e distopia: Il romanzo presenta una visione distopica della società, ma anche un'utopia in cui la violenza è stata eliminata. Ci invita a riflettere sulla possibilità di creare una società migliore e sul prezzo da pagare per ottenerla.

Oltre a questi temi principali, Arancia Meccanica è ricco di simbolismi e riferimenti letterari. Il romanzo è un'opera complessa e provocatoria che continua ad essere attuale e ad alimentare dibattiti e riflessioni.

Alcune interpretazioni:

Arancia Meccanica è un'allegoria della guerra fredda e del pericolo del totalitarismo.
Il romanzo è una critica della società occidentale e del suo culto della violenza.
Arancia Meccanica è un'esplorazione della natura umana e del rapporto tra bene e male.

Conclusione:

Il significato di Arancia Meccanica è aperto all'interpretazione del lettore. Il romanzo è un'opera ricca di spunti di riflessione che ci invita a interrogarci su questioni fondamentali come la violenza, il libero arbitrio, la società e la natura umana.

-------

Anthony Burgess nasce il 25 febbraio 1917. Un’arancia meccanica nel suo destino Scrittore, critico letterario, studioso, compositore, sceneggiatore, Anthony Burgess, pseudonimo di John Burgess Wilson, è stato sicuramente uno dei più grandi autori inglesi del Novecento, dalla vastissima e ricchissima produzione. Ma di lui si parla quasi sempre per un solo motivo: è l’autore di Arancia meccanica.

Fu travolto dalle polemiche (e dalla violenza) legate alla trasposizione cinematografica del suo romanzo, reazioni inaspettate, alle quali rispose cercando di spiegare il senso di un testo che va ben oltre la violenza fine a se stessa. Provò anche a scrivere un sequel, rimasto inedito e ritrovato, dopo la sua morte, nella casa di Bracciano, vicino a Roma.

E pensare che per Burgess quel libro nasceva da un trauma. Sua moglie Lynne Jones era stata aggredita, nel 1944, a Londra, da un gruppo di soldati americani. La donna era incinta, abortì e non poté più avere figli. Nel romanzo Alex e la sua banda fanno irruzione nella casa di un mite letterato e ne violentano la moglie. Arancia meccanica venne scritto nel 1962, quando a Burgess era stato diagnosticato un tumore al cervello e i medici gli avevano dato un anno di vita.

La diagnosi era sbagliata e lo scrittore visse altri trent’anni, ma, certo, non fu la serenità a dettare quelle pagine! Si è curato con la scrittura. Forse la trasposizione cinematografica del suo romanzo ha prodotto la catarsi finale che gli ha permesso di superare il trauma. ( )
  AntonioGallo | Feb 24, 2024 |
| ʟɪᴠʀᴏ 45 • ᴀ ʟᴀʀᴀɴᴊᴀ ᴍᴇᴄÂɴɪᴄᴀ - ᴀɴᴛʜᴏɴʏ ʙᴜʀɢᴇꜱꜱ |
.
Ao longo do livro, irmãos, o narrador e seus ᴅʀᴜɢᴏꜱ expressam-se numa linguagem inventada (nadsat), repleta de vocábulos de origem russa, com influências bíblicas para além de gíria popular. Isto resulta num, inicial alternar de páginas entre o que se está a ler e o dicionário de idioma "nadsat". Contudo, Burgess tem o cuidado de incorporar as suas novas palavras de uma forma compreensível e com o avançar de páginas, elas introduzem-se de tal maneira simples no nosso vocabulário, tornando a história mais fluída.
Nadsat tem o poder de conferir ao texto um aspeto cativante e amistoso, que contrasta fortemente com a reação de raiva que algumas das façanhas que Alex e seus ᴅʀᴜɢᴏꜱ fazem.
Esta criação de Burgess, eleva o livro e converte-o numa ᴢᴀᴍᴇᴄʜᴀᴛᴏ proeza no plano artístico e linguístico.

Há ᴜʀʀᴀꜱɴᴏꜱᴀꜱ situações neste livro irmãos, porém, os seus propósitos justificam os meios da sua execução, ainda que o mesmo não aconteça com o que se sucede ao longo da história.

“ᴛᴏ ᴅᴇᴠᴀꜱᴛᴀᴛᴇ ɪꜱ ᴇᴀꜱɪᴇʀ ᴀɴᴅ ᴍᴏʀᴇ ꜱᴘᴇᴄᴛᴀᴄᴜʟᴀʀ ᴛʜᴀɴ ᴛᴏ ᴄʀᴇᴀᴛᴇ.”

É um curto livro, dirigido pelo "vosso humilde narrador", Alex. Composto em três partes principais.
Na primeira parte, Alex e o seu gangue de três ᴅʀᴜɢᴏꜱ adolescentes, isto é, o Pete, o George e o Lerdo, entregam-se à "ultraviolência" a ᴄʜᴇʟᴏᴠᴇᴄᴏꜱ (ᴘᴇᴛɪÇᴀꜱ; ᴍᴀʟᴄʜɪᴄᴏꜱ; ʙᴀʙᴜꜱᴄᴀꜱ e ᴇꜱᴛÁʀɪᴏꜱ, sem distinção). Na parte intermédia, Alex é submetido a um novo e horrível tratamento (uma espécie de lavagem cerebral). A parte final segue o resultado do mesmo.

“ᴛʜᴇ ɪᴍᴘᴏʀᴛᴀɴᴛ ᴛʜɪɴɢ ɪꜱ ᴍᴏʀᴀʟ ᴄʜᴏɪᴄᴇ. ᴇᴠɪʟ ʜᴀꜱ ᴛᴏ ᴇxɪꜱᴛ ᴀʟᴏɴɢ ᴡɪᴛʜ ɢᴏᴏᴅ, ɪɴ ᴏʀᴅᴇʀ ᴛʜᴀᴛ ᴍᴏʀᴀʟ ᴄʜᴏɪᴄᴇ ᴍᴀʏ ᴏᴘᴇʀᴀᴛᴇ. ʟɪꜰᴇ ɪꜱ ꜱᴜꜱᴛᴀɪɴᴇᴅ ʙʏ ᴛʜᴇ ɢʀɪɴᴅɪɴɢ ᴏᴘᴘᴏꜱɪᴛɪᴏɴ ᴏꜰ ᴍᴏʀᴀʟ ᴇɴᴛɪᴛɪᴇꜱ.”

Tudo se passa num futuro próximo, levemente distópico, onde são abordadas questões sobre o pecado primitivo, a punição e vingança, o livre arbítrio e a natureza do mal, apresentando uma cultura de extrema violência da juventude.

A ᴘʀɪꜱᴛᴀ, a brutalidade dos ᴍɪʟɪᴄᴇɴᴛᴏꜱ, as armas não resultam.
Entra em cena a Técnica de Ludovico, através da qual Alex é condicionado a não poder cometer tais actos violentos, nem mesmo vê-los ou pensar neles.
O resultado e as implicações de tal experiência é uma das forças do livro.

“ɪᴛ ɪꜱ ᴀꜱ ɪɴʜᴜᴍᴀɴ ᴛᴏ ʙᴇ ᴛᴏᴛᴀʟʟʏ ɢᴏᴏᴅ ᴀꜱ ɪᴛ ɪꜱ ᴛᴏ ʙᴇ ᴛᴏᴛᴀʟʟʏ ᴇᴠɪʟ.”

Alex tem uma ligação que completa o seu ᴛɪQᴜᴇᴛᴀᴄᴏ com a música clássica. Adora particularmente Beethoven. É um vilão que suscita simpatia, apresenta uma sedutora e charmosa elegância e, embora cometa atrocidades, quando lhe são feitas maldades, a empatia desperta.

A escrita em si é imprevisivelmente bela, inclusive quando se trata da violência. Algumas das passagens de maior beleza do livro referem-se à música.
Nadsat é divertida irmãos e certamente usarás nos dias seguintes. Os ᴍᴀʟᴇɴᴄᴏꜱ ᴅʀᴜɢᴏꜱ; ʜᴏʀʀᴏʀᴏᴄʜᴏꜱᴏ ᴇɴᴛʀɪꜱꜱᴀɪ; ᴏꜱ ʟɪᴛꜱᴏꜱ e ɢᴜʟÍᴠᴇʀᴇꜱ, entre outros termos.

Não é, como muitos preconizam, uma forma gratuita de escrever violência. Está daquela forma presente com o objetivo de tornar a história do protagonista e o resultado da sua trajetória mais profunda. Burgess explica em entrevistas que a representação de violência pretendia ser tanto um acto de catarse como um acto de caridade, uma vez que a sua mulher foi alvo de uma violência cruel e gratuita (no livro algo está representado inspirado nessa situação).

É uma exploração da ética do livre arbítrio.

Sobre o filme, Burgess escreveu: "...é um filme muito à Kubrick, tecnicamente brilhante, profundo, relevante, poético, revelador."
Gostei bastante, apesar de, como em muitos casos, não estar ao nível do livro.

ᴅɪᴄᴏɴÁʀɪᴏ ɴᴀᴅꜱᴀᴛ:
ᴅʀᴜɢᴏꜱ - amigos | ᴢᴀᴍᴇᴄʜᴀᴛᴏ - notável | ᴜʀʀᴀꜱɴᴏꜱᴀꜱ - terríveis | ᴄʜᴇʟᴏᴠᴇᴄᴏꜱ - tipos| ᴘᴇᴛɪÇᴀꜱ - raparigas | ᴍᴀʟᴄʜɪᴄᴏꜱ - rapazes | ʙᴀʙᴜꜱᴄᴀꜱ - velhotas | ᴇꜱᴛÁʀɪᴏ - velho | ᴘʀɪꜱᴛᴀ - prisão | ᴍɪʟɪᴄᴇɴᴛᴏꜱ - polícias | ᴛɪQᴜᴇᴛᴀᴄᴏ - coração | ᴍᴀʟᴇɴᴄᴏꜱ - pequenos | ʜᴏʀʀᴏʀᴏᴄʜᴏꜱᴏ - bom, bem | ᴇɴᴛʀɪꜱꜱᴀɪ - sexo | ʟɪᴛꜱᴏ - rosto | ɢᴜʟÍᴠᴇʀ - cabeça

(O uso da palavra 'irmãos' ao longo deste texto é entendido por aqueles que o leram e uma tentativa de o tornar mais próximo do livro.) ( )
  craly | Jan 24, 2024 |
Brilliantly written. Pure genius and devastating horror. Grotesquely prescient. ( )
  BethOwl | Jan 24, 2024 |
Dark, dark, dark. Hard to read because of the subject, but also because of the vernacular Burgess invents for Alex and his gang. Most of the first third of the book was deciphering the conversation based on context. This edition has an added chapter at the end which hints at redemption, and I'm glad I read this copy. One of the toughest books I've ever read, but also one of the books I've enjoyed the most. ( )
  ohheybrian | Dec 29, 2023 |
I was glad I studied Russian before reading this book, since it made understanding the slang easier. "horrorshow", for instance, is derived from the Russian word for "good", and this word shows up as often as bad edgy modern fiction over-uses 'fuck'. The sci-fi aspect of this book, that of using conditioning to make criminals permanently 'good', was an interesting one, and I've seen several shows that somewhat recreate the conditioning scene from this book, a reference I had not known was literary. So, while not my favorite classic, this was one worth reading. ( )
  JBarringer | Dec 15, 2023 |
Mostrando 1-5 de 384 (seguinte | mostrar todos)
Mr. Burgess, whenever we remeet him in a literary setting, seems to be standing kneedeep in the shavings of new methods, grimed with the metallic filings of bright ideas. A Clockwork Orange, for example, was a book which no one could take seriously for what was supposed to happen in it-its plot and "meaning" were the merest pretenses-but which contained a number of lively notions, as when his delinquents use Russian slang and become murderous on Mozart and Beethoven. In a work by Burgess nothing is connected necessarily or organically with anything else but is strung together with wires and pulleys as we go.
adicionada por SnootyBaronet | editarThe New York Times, John Bayley
 
Burgess’s 1962 novel is set in a vaguely Socialist future (roughly, the late seventies or early eighties)—a dreary, routinized England that roving gangs of teenage thugs terrorize at night. In perceiving the amoral destructive potential of youth gangs, Burgess’s ironic fable differs from Orwell’s 1984 in a way that already seems prophetically accurate. The novel is narrated by the leader of one of these gangs-—Alex, a conscienceless schoolboy sadist—and, in a witty, extraordinarily sustained literary conceit, narrated in his own slang (Nadsat, the teenagers’ special dialect). The book is a fast read; Burgess, a composer turned novelist, has an ebullient, musical sense of language, and you pick up the meanings of the strange words as the prose rhythms speed you along.
adicionada por SnootyBaronet | editarThe New Yorker, Pauline Kael
 
A Clockwork Orange, the book for which Burgess — to his understandable dismay — is best known. A handy transitional primer for anyone learning Russian, in other respects it is a bit thin. Burgess makes a good ethical point when he says that the state has no right to extirpate the impulse towards violence. But it is hard to see why he is so determined to link the impulse towards violence with the aesthetic impulse, unless he suffers, as so many other writers do, from the delusion that the arts are really rather a dangerous occupation. Presumably the connection in the hero’s head between mayhem and music was what led Stanley Kubrick to find the text such an inspiration. Hence the world was regaled with profound images of Malcolm McDowell jumping up and down on people’s chests to the accompaniment of an invisible orchestra.

It is a moot point whether Burgess is saying much about human psychology when he so connects the destructive element with the creative impulse. What is certain is that he is not saying much about politics. Nothing in A Clockwork Orange is very fully worked out. There is only half a paragraph of blurred hints to tell you why the young marauders speak a mixture of English and Russian. Has Britain been invaded recently? Apparently not. Something called ‘propaganda’, presumably of the left-wing variety, is vaguely gestured towards as being responsible for this hybrid speech. But even when we leave the possible causes aside, and just examine the language itself, how could so basic a word as ‘thing’ have been replaced by the Russian word without other, equally basic, words being replaced as well?
adicionada por SnootyBaronet | editarNew York Review of Books, Clive James
 
But all in all, “A Clockwork Orange” is a tour-de-force in nastiness, an inventive primer in total violence, a savage satire on the distortions of the single and collective minds.
 
In A Clockwork Orange, Anthony Burgess has written what looks like a nasty little shocker but is really that rare thing in English letters—a philosophical novel. The point may be overlooked because the hero, a teen-age monster, tells all about everything in nadsat, a weird argot that seems to be all his own. Nadsat is neither gibberish nor a Joycean exercise. It serves to put Alex where he belongs—half in and half out of the human race.
adicionada por Shortride | editarTime (Feb 15, 1963)
 

» Adicionar outros autores (5 possíveis)

Nome do autorPapelTipo de autorObra?Estado
Burgess, Anthonyautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Amis, MartinPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Arbonès, JordiTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Šenkyřík, LadislavTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
信一郎, 乾翻訳autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Üstel, AzizTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Belmont, GeorgesTraductionautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Biswell, AndrewEditor and Introductionautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Blumenbach, UlrichTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bossi, FlorianaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Brumm, WalterTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Buddingh, C.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Buddingh, W.F.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Buenaventura, RamónPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Chabrier, HortenseTraductionautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Csejdy, AndrásPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Dagys, SauliusTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Damsma, HarmTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Fančović, MarkoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Fernandes, FábioTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Gunn, JamesPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hollander, TomNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Horváth, László, Gy.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hyman, Stanley EdgarPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Jones, BenIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Kořínek, OtakarTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Körpe, DostTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Konttinen, Moog(käänt.)autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Krege, WolfgangTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Leal Fernández, AníbalTraductorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Lundgren, CajTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Melchior, ClausEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Miedema, NiekTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mikkin, DanKujundaja.autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Miller, RonIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Monzó, QuimIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Morrison, BlakeIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Pelham, DavidArtista da capaautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Pelham, DavidIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Quijada, AnaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Rawlinson, MarkEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Rogde, IsakOvers.autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Self, WillIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Steinz, PieterPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Stiller, RobertTł.autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Trengrove, BarryJacket Designautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Uibo, UdoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Vieira, José LuandinoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Walsh, JohnIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Welsh, IrvinePrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado

Está contido em

Tem a adaptação

É resumida em

Inspirada

Tem como estudo

Tem um comentário sobre o texto

Tem um guia de estudo para estudantes

Prémios

Distinctions

Notable Lists

Tem de autenticar-se para poder editar dados do Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Comum.
Título canónico
Título original
Títulos alternativos
Informação do Conhecimento Comum em alemão. Edite para a localizar na sua língua.
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Locais importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Acontecimentos importantes
Filmes relacionados
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
'What's it going to be then, eh?'
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Goodness comes from within [...] Goodness is something chosen. When a man cannot choose he ceases to be a man.
Does God want goodness or the choice of goodness? Is a man who chooses to be bad perhaps in some way better than a man who has the good imposed upon him?
There is, in fact, not much point in writing a novel unless you can show the possibility of moral transformation, or an increase in wisdom, operating in your chief character or characters.
It's funny how the colors of the real world only seem really real when you watch them on a screen.
Then I noticed, in all my pain and sickness, what music it was that like crackled and boomed on the sound-track, and it was Ludwig van, the last movement of the Fifth Symphony, and I creeched like bezoomny at that. ‘Stop!’ I creeched. ‘Stop, you grahzny disgusting sods. It’s a sin, that’s what it is, a filthy unforgivable sin, you bratchnies!’
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Nota de desambiguação
Editores da Editora
Informação do Conhecimento Comum em húngaro. Edite para a localizar na sua língua.
Autores de citações elogiosas (normalmente na contracapa do livro)
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Língua original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
DDC/MDS canónico
LCC Canónico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (2)

Told through a central character, Alex, the disturbing novel creates an alarming futuristic vision of violence, high technology, and authoritarianism. A modern classic of youthful violence and social redemption set in a dismal dystopia whereby a juvenile deliquent undergoes state-sponsored psychological rehabilitation for his aberrant behavior.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo Haiku

Biblioteca Legada: Anthony Burgess

Anthony Burgess tem uma Biblioteca Legada. As bibliotecas legadas são bibliotecas privadas de leitores famosos introduzidas por membros do LibraryThing que integram o grupo Legacy Libraries.

Ver o perfil legado de Anthony Burgess.

Ver a página de autor de Anthony Burgess.

Current Discussions

Nenhum(a)

Capas populares

Ligações Rápidas

Avaliação

Média: (3.99)
0.5 12
1 111
1.5 13
2 324
2.5 50
3 1057
3.5 220
4 2460
4.5 264
5 2084

W.W. Norton

Uma edição deste livro foi publicada pela W.W. Norton.

» Página Web de informação sobre a editora

Penguin Australia

4 edições deste livro foram publicadas por Penguin Australia.

Edições: 0141182601, 0141037229, 0141192364, 0241951445

 

Acerca | Contacto | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blogue | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Legadas | Primeiros Críticos | Conhecimento Comum | 201,766,447 livros! | Barra de topo: Sempre visível