Página InicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquisar O Sítio Web
Este sítio web usa «cookies» para fornecer os seus serviços, para melhorar o desempenho, para analítica e (se não estiver autenticado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing está a reconhecer que leu e compreende os nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade. A sua utilização deste sítio e serviços está sujeita a essas políticas e termos.
Hide this

Resultados dos Livros Google

Carregue numa fotografia para ir para os Livros Google.

Out of Africa (Modern Library 100 Best…
A carregar...

Out of Africa (Modern Library 100 Best Nonfiction Books) (original 1937; edição 1992)

por Isak Dinesen (Autor)

MembrosCríticasPopularidadeAvaliação médiaMenções
4,586931,885 (3.91)348
In this book, the author of Seven Gothic Tales gives a true account of her life on her plantation in Kenya. She tells with classic simplicity of the ways of the country and the natives: of the beauty of the Ngong Hills and coffee trees in blossom: of her guests, from the Prince of Wales to Knudsen, the old charcoal burner, who visited her: of primitive festivals: of big game that were her near neighbors--lions, rhinos, elephants, zebras, buffaloes--and of Lulu, the little gazelle who came to live with her, unbelievably ladylike and beautiful. The Random House colophon made its debut in February 1927 on the cover of a little pamphlet called "Announcement Number One." Bennett Cerf and Donald Klopfer, the company's founders, had acquired the Modern Library from publishers Boni and Liveright two years earlier. One day, their friend the illustrator Rockwell Kent stopped by their office. Cerf later recalled, "Rockwell was sitting at my desk facing Donald, and we were talking about doing a few books on the side, when suddenly I got an inspiration and said, 'I've got the name for our publishing house. We just said we were go-ing to publish a few books on the side at random. Let's call it Random House.' Donald liked the idea, and Rockwell Kent said, 'That's a great name. I'll draw your trademark.' So, sitting at my desk, he took a piece of paper and in five minutes drew Random House, which has been our colophon ever since." Throughout the years, the mission of Random House has remained consistent: to publish books of the highest quality, at random. We are proud to continue this tradition today. This edition is set from the first American edition of 1937 and commemorates the seventy-fifth anniversary of Random House.… (mais)
Membro:amandanan
Título:Out of Africa (Modern Library 100 Best Nonfiction Books)
Autores:Isak Dinesen (Autor)
Informação:Modern Library (1992), 416 pages
Colecções:A sua biblioteca
Avaliação:
Etiquetas:to-read, female-author, non-fiction

Pormenores da obra

Out of Africa por Isak Dinesen (1937)

A carregar...

Adira ao LibraryThing para descobrir se irá gostar deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Ver também 348 menções

Inglês (75)  Italiano (5)  Norueguês (3)  Dinamarquês (2)  Espanhol (2)  Francês (1)  Holandês (1)  Sueco (1)  Alemão (1)  Finlandês (1)  Catalão (1)  Todas as línguas (93)
Mostrando 1-5 de 93 (seguinte | mostrar todos)
Mamma mia la noia.
Portare a termine questo libro è stato estenuante, trecento pagine che mi sono sembrate almeno il doppio: non perchè sia scritto male, tutt'altro, anche perché ho già letto altro della Blixen e so perfettamente che sa scrivere; il problema è che manca qualunque tipo di trama o di struttura, il romanzo consiste unicamente di aneddoti pittoreschi e descrizioni naturali che si susseguono confusamente senza una logica.
Non saprei neanche se definirle memorie a questo punto, perchè i riferimenti alla vera vita dell'autrice sono pochi e si ha la costante sensazione che ometta più di quanto non dica (nessun accenno al divorzio o alla sifilide, mentre Denys Finch-Hatton viene presentato solo come un amico).
L'unico elemento che ha catturato la mia attenzione in questo mare di tedio è stata l'arroganza coloniale di cui è imbevuta la protagonista, tanto più fastidiosa in quanto ammantata di un perbenismo ipocrita.
Peccato, mi avevano parlato tutti bene del film e credevo che leggere il libro sarebbe stato anche meglio, ma mi sbagliavo di grosso.
Agli appassionati di viaggi, di Africa o della natura in generale sicuramente potrebbe piacere, a tutti gli altri consiglio di tenersi alla larga. ( )
  Lilirose_ | Sep 11, 2021 |
Pues eso, que ella tenía una granja en África, y nos cuenta las cosas que le pasaron allí. Lo cuenta sin orden aparente, unas historias detrás de otras unidas simplemente por sus recuerdos. Varias veces hace referencias directas o implícitas a "Las mil y una noches". Algunas historias son largas, como el accidente que mató a dos niños nativos, o sus paseos en avión con su amigo (¿amante?) Denis, pero otras son apenas un párrafo, o incluso son alusiones introducidas en medio de otras historias. Por eso, es cierto, creo yo, que esta autora emparenta con García Márquez en su amor por los cuentos, y de este modo mantiene interesado al lector durante todo el tiempo que quiera.

El problema, como pasa en otras ocasiones, es que uno no puede quitarse de la cabeza la película de Sidney Pollack que, en realidad, fue la que lanzó a la fama al libro. Uno lee sin poder quitarse de la cabeza la bellísima música de John Barry, ni la imagen de los dos protagonistas, o los paisajes que salen en la pantalla. Y la película solo recoge una pequeña parte del libro, extrayendo desde aquí una historia de amor más o menos convencional que para nada aparece en el texto. Ya digo que este Denis solo es uno de sus muchos amigos, quizá un poco más especial hacia el final del libro, pero sin que nunca se explicite su relación. Y no aparece ningún marido por ninguna parte. En fin, que una estupenda película y un muy buen libro se estropean mutuamente un poco por su comparación. Si uno consigue leer/ver sin mezclarlos (yo no lo he conseguido), seguramente se quedará mucho más fascinado. ( )
  caflores | May 30, 2021 |
Boken har stått i bokhyllen min i nesten femti år uten å ha blitt lest ut. Nå var tiden der selv om årene er gått siden boken ble både skrevet og kom i mitt eie. Baronesse Blixen lever på sin gård og kaffeplantasje oppe i det kenyanske høyland tidlig på 1900-tallet omgitt av hhv somaliere, kikuyer og masaier når det gjelder dagliglivet Hun skriver om naturen, folket og deres væremåte. Dette er de sene kolonisatorene som ennå regjerer og kan berette om bl a fordums afrikansk slavehandel, dvs salg av "deres egne". Beskrivelsen av de innfødtes væremåter, talemåter og tenkemåter tar stor plass når hun skildrer dagliglivet med sykdom, ulykker og konflikter blant dem. Det er godseierens bilde av de andre som presenteres og med en ganske så forbausende innsikt, fordommer og med referanser til både bibelen og andre kanoniske skrifter kommenterer hun også europeere og asiater i Afrika. Det er menneskeskjebner og liv og natur som trer fram med variasjoner fra godt liv til tristesse, fra landet sett fra luften, fra gresshoppsvermenes inntog, fra løvejakter og fra stille betraktning av det svært så varierte landskapet. Å drive gård høyt oppe i fjellene med innfødte samfunn like ved viser også hennes grad av integrasjon, aksept og ikke minst de innfødtes lakoniske iakttagelse av de hvites påfunn med bl a teknologiske fremskritt - som det å fly. Hun er en del av det hvite aristokratiet, men er altså ikke blind for å se andre som innsiktsfulle og levende mennesker. Innimellom gårdens strev skildres besøk av og utflukter med andre hvite og hennes reiser tilbake til Europa. Når hun skildrer andre mennesker, gir hun også skildring av sitt eget tankesett og empati og det gjør hun ganske så skånselløst. Slutten av boken er på sett og vis kanskje slutten på en generasjon av hvite der - nære venner dør, også svarte venner. Alle disse representerer noe annet enn oppkomsten av de nå kristnede afrikanere av den siste generasjonen som for henne er ganske så fremmede. Hun beskriver også Afrika som en tilstand i sin sjel, der hun trodde hun skulle forbli for alltid. Hun har hatt visjoner og drømmer og har gjort noe med mange av dem - noen ble fiaskoer og andre urealiserte. Likevel et sorgtungt farvel før den danske baronessen drar fra sitt Afrika med siste del av boken fylt med portretter av personer som har betydd ganske så mye for henne.
  lestrond | May 2, 2021 |
Non ce l'ho fatta a proseguire, mollato dopo 30 pagine.
Forse adatto a chi è già stato in quelle terre africane che comunque vengono ben descritte.
Preferisco riguardarmi il film, autentico capolavoro. ( )
  ginsengman | Apr 23, 2021 |
Beautiful phrasing, interesting woman.
Not much of a story but it *is* a memoir.
I would have liked to know more about the author and the reason things were happening. Thank goodness for Google. ( )
  curious_squid | Apr 5, 2021 |
Mostrando 1-5 de 93 (seguinte | mostrar todos)
sem críticas | adicionar uma crítica

» Adicionar outros autores (31 possíveis)

Nome do autorPapelTipo de autorObra?Estado
Dinesen, Isakautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Wolf, RuthTradutorautor principalalgumas ediçõesconfirmado
Anttila, WernerTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
甲賀, 平野Designerautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Draesner, UlrikePosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Drudi Demby, LuciaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
貞子, 横山Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Huxley, ElspethIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Kielty, BernardineIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Lundkvist, ArturTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Manceron, YvonneTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Moorehead, AlanIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Perlet, GiselaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Wolf, RuthTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tem de autenticar-se para poder editar dados do Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Comum.
Título canónico
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Locais importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Acontecimentos importantes
Filmes relacionados
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Prémios e menções honrosas
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Equitare, Arcum tendere, Veritatem dicere
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
I had a farm in Africa, at the foot of the Ngong Hills.
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
A white man who wanted to say a pretty thing to you would write: "I can never forget you." The African says: "We do not think of you, that you can ever forget us."
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Carregue para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Nota de desambiguação
Editores da Editora
Autores de citações elogiosas (normalmente na contracapa do livro)
Língua original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
DDC/MDS canónico
Canonical LCC

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (2)

In this book, the author of Seven Gothic Tales gives a true account of her life on her plantation in Kenya. She tells with classic simplicity of the ways of the country and the natives: of the beauty of the Ngong Hills and coffee trees in blossom: of her guests, from the Prince of Wales to Knudsen, the old charcoal burner, who visited her: of primitive festivals: of big game that were her near neighbors--lions, rhinos, elephants, zebras, buffaloes--and of Lulu, the little gazelle who came to live with her, unbelievably ladylike and beautiful. The Random House colophon made its debut in February 1927 on the cover of a little pamphlet called "Announcement Number One." Bennett Cerf and Donald Klopfer, the company's founders, had acquired the Modern Library from publishers Boni and Liveright two years earlier. One day, their friend the illustrator Rockwell Kent stopped by their office. Cerf later recalled, "Rockwell was sitting at my desk facing Donald, and we were talking about doing a few books on the side, when suddenly I got an inspiration and said, 'I've got the name for our publishing house. We just said we were go-ing to publish a few books on the side at random. Let's call it Random House.' Donald liked the idea, and Rockwell Kent said, 'That's a great name. I'll draw your trademark.' So, sitting at my desk, he took a piece of paper and in five minutes drew Random House, which has been our colophon ever since." Throughout the years, the mission of Random House has remained consistent: to publish books of the highest quality, at random. We are proud to continue this tradition today. This edition is set from the first American edition of 1937 and commemorates the seventy-fifth anniversary of Random House.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo Haiku

Biblioteca Legada: Isak Dinesen

Isak Dinesen tem uma Biblioteca Legada. As bibliotecas legadas são bibliotecas privadas de leitores famosos introduzidas por membros do LibraryThing que integram o grupo Legacy Libraries.

Ver o perfil legado de Isak Dinesen.

Ver a página de autor de Isak Dinesen.

Capas populares

Ligações Rápidas

Avaliação

Média: (3.91)
0.5 1
1 21
1.5 2
2 44
2.5 12
3 147
3.5 36
4 281
4.5 37
5 251

Penguin Australia

3 edições deste livro foram publicadas por Penguin Australia.

Edições: 0141183330, 0241951437, 0143566369

 

Acerca | Contacto | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blogue | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Legadas | Primeiros Críticos | Conhecimento Comum | 163,191,452 livros! | Barra de topo: Sempre visível