Página InicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquisar O Sítio Web
Este sítio web usa «cookies» para fornecer os seus serviços, para melhorar o desempenho, para analítica e (se não estiver autenticado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing está a reconhecer que leu e compreende os nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade. A sua utilização deste sítio e serviços está sujeita a essas políticas e termos.

Resultados dos Livros Google

Carregue numa fotografia para ir para os Livros Google.

A carregar...

Les Liaisons Dangereuses (1782)

por Pierre Choderlos de Laclos

Outros autores: Ver a secção outros autores.

MembrosCríticasPopularidadeAvaliação médiaDiscussões / Menções
6,428861,480 (4.09)2 / 370
The complex moral ambiguities of seduction and revenge make Les Liaisons dangereuses (1782) one of the most scandalous and controversial novels in European literature. The subject of major film and stage adaptations, the novel's prime movers, the Vicomte de Valmont and the Marquise de Merteuil, form an unholy alliance and turn seduction into a game - a game which they must win.This new translation gives Laclos a modern voice, and readers will be able a judge whether the novel is as `diabolical' and `infamous' as its critics have claimed, or whether it has much to tell us about the kind of world we ourselves live in. David Coward's introduction explodes myths about Laclos's own life and puts the book in its literary and cultural context.… (mais)
  1. 20
    Cousin Bette por Honoré de Balzac (kristelako)
  2. 10
    The Mandrake Root por Niccolò Machiavelli (timoroso)
  3. 11
    Le Vicomte de Valmont; les Liaisons dangereuses (1) por Chiho Saito (octopedingenue)
    octopedingenue: manga adaptation of the book
  4. 00
    Quartett por Heiner Müller (JuliaMaria)
    JuliaMaria: "Quartett": Ein Schauspiel nach Choderlos de Laclos' Gefährliche Liebschaften bearbeitet
A carregar...

Adira ao LibraryThing para descobrir se irá gostar deste livro.

» Ver também 370 menções

Inglês (63)  Francês (10)  Espanhol (4)  Holandês (3)  Italiano (2)  Checo (1)  Alemão (1)  Português (1)  Todas as línguas (85)
Mostrando 1-5 de 85 (seguinte | mostrar todos)
Got half-way through this book and DNF. It was very tedious to me and I had to force myself to read it. I have too many other books to try. So.... ( )
  bumblesby | Oct 7, 2023 |
— Por enquanto, para ser breve, basta parafrasear o posfácio do Carlos Drummond ao traduzir o Laclos: "E como escrevia bem esse danado…".

— A sequência narrativa final, a sucessão de cartas, bilhetes, cenas e imagens, é acelerada e impactante, ao ponto de fazer o leitor devorar todas as correspondências com avidez, buscando aquele nome, aquele remetente específico, aquela voz tão próxima e agora tão diversa.

Ao fechar o livro, a única reclamação que tenho é que tão imerso fiquei na história que queria mais cartas do Visconde e da Marquesa, estes foram tão estilisticamente superiores, moralmente amórficos, narrativamente instigantes, que em certas partes tornavam todas as outras cartas (e personagens) menos palatáveis. Mas, mesmo isso, na sequência final, é corrigido pelo Laclos, onde a situação em que se encontram todos nossos atores, faz com que todas as cartas, de todas personagens, tornem-se igualmente importantes, e um pequeno bilhete, ou o devolvimento de uma carta meramente riscada, tornem-se impactativas e grandiosas.

Uma em específico me pegou bastante, para não entrar muito em detalhes aqui, é uma carta fruto de um delírio, destinada à ninguém em específico, mas, ao mesmo tempo a todos; onde uma confissão reveladora é suprimida não por medo da repreensão, mas por medo de uma possibilidade de perdão.

Literatura finíssima, da mais alta qualidade. Provavelmente o melhor que lerei no ano.

Anotações Anteriores:

— Fim da Parte Terceira

— Esse livro realçou e sublinhou algo que em mim já ia consolidando-se: quando se trata da arte literária, o tema é uma unha, uma cutícula, uma epiderme. Não há temas superiores, não há necessidade de temas grandiosos ou grandiloquentes, basta um bom estilo e uma boa forma.

Se eu, delegando a leitura, buscasse por uma sinopse, resumo ou recomendação desse livro aqui, dado sua temática, que me interessa minimamente, eu passaria reto pela prateleira sem nem olhar para os lados; se acrescentassem que além do jogo de sedução, tratasse também de corrupção, ambiguidade, hipocrisia moral e social, eu viraria a cabeça para vê-lo, mas, ainda sim manteria a distância; e perderia um livro ímpar. Depender somente do interesse é um erro.

É lendo-o — não diga… — que ele se sobressaí, é no estilo meticulosamente cravejado do Laclos, moldando-se e adequado-se a cada voz, a cada carta, a cada sentimento que se sobressaí, a cada olhar frio e ação manipuladora. Um criado, por exemplo, que além de uma breve citação na primeira ou segunda parte, passa-se por totalmente trivial, quando o Laclos mostra uma primeira carta sua, no entanto, o homem adquire uma voz singular e uma personalidade vívida, sem exposição ou descrição, numa resposta de trabalho formal!; revela astúcia, revela subordinação, mas não submissão, revela — ao recusar a ordem de se infiltrar na criadagem de uma Presidenta — esnobismo para com outros criados da noblesse de robe (nobreza adquirida), serviçais de hierarquia inferior e uniforme específico, que ele recusa em ultimato a vestir; é quase um indicativo claro, quando permanece mesmo que ligeiramente na mão do Laclos, a persoagem adquire se não potência, camadas.

E nisso me refiro a só uma carta, de uma personagem, digamos que, menos que secundário. Não há nem como entrar, com brevidade, no Visconde e na Marquesa, que nesse ponto, você já começa a pegar não só a dicção, mas o caráter enganoso da linguagem libertina que ambos utilizam, irônica, dissimuladora; ou, quando trocam de voz intencionalmente, a fim de enganar e manipular; ou quando tornam-se grandiosos, heroicos, mitológicos, e religiosamente eloquentes para narrar suas conquistas, contrapondo, no caso do Visconde, um ato vil com uma linguagem fina; ou ainda, estratégicos, maquiavélicos, racionalistas, engenhosos e meticulosos, para narrar seus planos e inclinações.

- Queria entrar em detalhe de uma cena específica dessa parte três, um abuso, que feita uma leitura enviesada, não levando as nuances em consideração, pode ser bastante problemática. Mas, já divaguei demais e deixo aqui marcado para expandir essa questão quando for escrever a resenha em si.

— Fim da parte dois; duzentas páginas adentro.

— É como se O Príncipe de Maquiável se encontrasse com A Arte da Guerra do Sun Tzu, só que pautando, em vez da guerra, as relações amorosas e desejosas da burguesia francesa. A história de corrupção, dissimulação, sedução, narrada em epístolas, a primeira vista, não me atraiu nenhum pouco. No entanto, a condução do Laclos, sua maneira de encadear e construir cenas, remontá-las, recriá-las, tudo a partir de diminutas cartas em primeira pessoa (com algumas ligeiras intromissões do Laclos-Editor); e a sua escrita carregada, mas elegante, cheia de minúcias, tornam a leitura muito prazerosa, apesar de certa repetição.

— Sinceramente, não fosse pelo estilo do Laclos, eu não passaria das primeiras vinte páginas, ou das primeiras cartas excessivamente românticas e blasés dos adolescentes ingênuos que tornam-se joguetes nas mãos dos personagens principais. No entanto, a escrita é tão boa, que me deixo conduzir pelo autor, e seja lá o que venha adiante e para onde ele levará o enredo, sei que dificilmente vai ser ruim. Ele sabe o que está fazendo, isso fica claro.

— As duas cenas mais memoráveis dessa primeira parte, são, a primeira, uma carta afetada e cheia de duplo-sentido, onde o Laclos monta uma cena aos pedaços para que o leitor reconstrua, a partir de correspondências anteriores, todo um cenário e situação específica em que essa carta foi escrita: uma personagem que declara seu amor à uma outra mulher enquanto utiliza as nádegas de uma prostituta como “mesa” para grafia.

A segunda, é quando uma personagem recebe uma carta, e temos toda a descrição do espanto, vergonha, raiva, e outras emoções sentidas ao lê-la. Temos também, a descrição do observador que também é o correspondente; e em seguida, lemos a mesma carta, isolada, vemos seu conteúdo, e remontamos a imagem mental, remontamos perfeitamente a cena através do seu conteúdo, numa união de forma e estilo potencialmente fortíssima, que você só pega quando em fluxo com o livro.
( )
  RolandoSMedeiros | Aug 1, 2023 |
3.5* for this full cast performance of the play based on an abridged edition of the French classic epistolary novel. Now I need to read the original book!! ( )
  leslie.98 | Jun 27, 2023 |
PRATELEIRA EUNICE LIVRO 109
A magia que eterniza uma obra como 'Ligações perigosas' (1782), de Pierre-Ambroise-François Choderlos de Laclos (1741-1803), está em sua atualidade através dos tempos, em sua universalidade e em sua capacidade de postular com antecipação conceitos apenas muito mais tarde consagrados, nesse caso, as ideias de Freud. Um aspecto das qualidades de escritor de Laclos que escapou à crítica do momento foi a poderosa ironia com que retratou as motivações emocionais mais profundas de seus personagens ou os costumes e as instituições de seu tempo, como, por exemplo, a própria religião, a educação das mulheres, o casamento, a caridade e as relações familiares e corteses. Se essa ironia mostra um mundo tenebroso, sobretudo aos olhos dos seus contemporâneos, é também cheia de vida e encanto e, assim como mantém nosso interesse pelos 'horrores' que vão acontecendo pouco a pouco até o abrupto e enigmático desenlace, tem também a capacidade de deixar tudo em aberto
  EuniceGomes | Apr 8, 2023 |
loved this book. the translation is amazing. the characters are wonderful. the letters between the two main characters and between, well, everyone else, paint an intricate picture of what love can do to people--whether intentional or not, whether there are (plenty of) ulterior motives involved or not. love can destroy, especially when ill intent is involved.

i was not expecting the ending at all, which is neat, especially given that this book is from centuries ago. i would recommend this book for anyone who reads juicy young adult novels or loves classics. it's a wonderful study in eloquent syntax and also a great study in modes of communication. i've always felt that too many long letters (or emails) create the worst miscommunication and assumptions if they're not followed up with regular face-to-face meetings and this novel proves it.

a great study in love, communication, deceit, lust, and the importance of being highly regarded by society in 18th century france.

and, yes, it is quite humorous. ( )
  ostbying | Jan 1, 2023 |
Mostrando 1-5 de 85 (seguinte | mostrar todos)
35 livres cultes à lire au moins une fois dans sa vie
Quels sont les romans qu'il faut avoir lu absolument ? Un livre culte qui transcende, fait réfléchir, frissonner, rire ou pleurer… La littérature est indéniablement créatrice d’émotions. Si vous êtes adeptes des classiques, ces titres devraient vous plaire.
De temps en temps, il n'y a vraiment rien de mieux que de se poser devant un bon bouquin, et d'oublier un instant le monde réel. Mais si vous êtes une grosse lectrice ou un gros lecteur, et que vous avez épuisé le stock de votre bibliothèque personnelle, laissez-vous tenter par ces quelques classiques de la littérature.
 
Martin de Haan, die eerder onder meer het werk van Houellebecq en Kundera vertaalde, maakt het boek onder de titel Riskante relaties levendiger en spannender dan het tevoren in het Nederlands ooit was. Dit komt vooral doordat hij er, veel meer dan Adriaan Morriën die de tot nu toe bekendste vertaling maakte, verbluffend goed in slaagt de zeven heel verschillende personages die de brieven schrijven, tot leven te wekken.
adicionada por Jozefus | editarNRC Handelsblad, Judith Eiselin (sítio Web pago) (Jan 12, 2018)
 
Les Liaisons dangereuses is not only a terrifying portrayal of high society, of a ruling class who have ceased to rule, it is one of the world's finest novels, as well as a dramatic presentation of a mature and analytic philosophy of the nature of evil and the interactions of human motivations. After this one book, a pivot in the history of the novel, things could never be the same again, not at least for any novelist who read and understood it...

It is all so elegant. Even the priests and nuns are elegant, but of course the devils are the most elegant of all. In the end they have nothing else, and then that is destroyed. What destroys them is their rivalry in evil. Unlike Milton's Hell, there is hierarchy in this human one, Lucifer and Beelzebub, male and female, ex-lovers who have already violated each other's pride, are enemies, each hiding hate from the other. The instrument of their destruction is their reason. They are Socrates' or Diderot's fully rational human beings. They use their reason to destroy others and are at last destroyed by their own irrationality—something they did not beheve existed.
adicionada por SnootyBaronet | editarSaturday Review, Kenneth Rexroth
 

» Adicionar outros autores (77 possíveis)

Nome do autorPapelTipo de autorObra?Estado
Laclos, Pierre Choderlos deautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Aldington, RichardTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Allem, MauriceEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Beretta Anguissola, AlbertoIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bigliosi Franck, CinziaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Blei, FranzTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Coward, DavidIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Delon, MichelEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Dowson, Ernest ChristopherTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Fehr, A.J.A.Posfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Kekomäki, LeenaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Malraux, AndréIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Morriën, AdriaanTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Papadopoulos, JoëlNotesautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Parmée, DouglasTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Praquin, PierreArtista da capaautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Ruata, AdolfoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Stone, P. W. K.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Washington, PeterIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tem de autenticar-se para poder editar dados do Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Comum.
Título canónico
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Título original
Títulos alternativos
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Locais importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Acontecimentos importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Filmes relacionados
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Informação do Conhecimento Comum em holandês. Edite para a localizar na sua língua.
Ik heb de zeden van mijn tijd gezien en deze brieven openbaar gemaakt. – J.-J. Rousseau, voorwoord bij Julie ou La Nouvelle Héloïse
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Well, Sophie dear, as you see, I'm keeping my word and not spending all my time on bonnets and bows, I'll always have some to spare for you!
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
I was amazed at the pleasure a good deed can produce and I'm tempted to think that those so-called virtuous people don't deserve quite as much credit as we are invited to believe.
I perceive that it is three o'clock in the morning, and that I have written a volume, with the intention but to write a word. Such is the charm of confident friendship: 'tis on account of that, that you are always he whom I love the best; but, in truth, the Chevalier pleases me more.
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Carregue para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Nota de desambiguação
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Les Liaisons Dangereuses was published under the title Valmont to tie-in with the Milos Forman film. It is the same book and should not be separated.
Editores da Editora
Informação do Conhecimento Comum em francês. Edite para a localizar na sua língua.
Autores de citações elogiosas (normalmente na contracapa do livro)
Língua original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
DDC/MDS canónico
LCC Canónico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês

Nenhum(a)

The complex moral ambiguities of seduction and revenge make Les Liaisons dangereuses (1782) one of the most scandalous and controversial novels in European literature. The subject of major film and stage adaptations, the novel's prime movers, the Vicomte de Valmont and the Marquise de Merteuil, form an unholy alliance and turn seduction into a game - a game which they must win.This new translation gives Laclos a modern voice, and readers will be able a judge whether the novel is as `diabolical' and `infamous' as its critics have claimed, or whether it has much to tell us about the kind of world we ourselves live in. David Coward's introduction explodes myths about Laclos's own life and puts the book in its literary and cultural context.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo Haiku

Current Discussions

Nenhum(a)

Capas populares

Ligações Rápidas

Avaliação

Média: (4.09)
0.5
1 10
1.5 2
2 28
2.5 11
3 166
3.5 48
4 406
4.5 52
5 375

É você?

Torne-se num Autor LibraryThing.

Penguin Australia

2 edições deste livro foram publicadas por Penguin Australia.

Edições: 0140449574, 0141195142

 

Acerca | Contacto | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blogue | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Legadas | Primeiros Críticos | Conhecimento Comum | 201,738,931 livros! | Barra de topo: Sempre visível