Página InicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquisar O Sítio Web
Este sítio web usa «cookies» para fornecer os seus serviços, para melhorar o desempenho, para analítica e (se não estiver autenticado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing está a reconhecer que leu e compreende os nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade. A sua utilização deste sítio e serviços está sujeita a essas políticas e termos.

Resultados dos Livros Google

Carregue numa fotografia para ir para os Livros Google.

A carregar...

The Book of the Courtier (1528)

por Baldassare Castiglione

Outros autores: Ver a secção outros autores.

MembrosCríticasPopularidadeAvaliação médiaMenções
2,088137,589 (3.5)35
In The Book of the Courtier (1528), Baldesar Castiglione, a diplomat and Papal Nuncio to Rome, sets out to define the essential virtues for those at Court. In a lively series of imaginary conversations between the real-life courtiers to the Duke of Urbino, his speakers discuss qualities of noble behaviour - chiefly discretion, decorum, nonchalance and gracefulness - as well as wider questions such as the duties of a good government and the true nature of love. Castiglione's narrative power and psychological perception make this guide both an entertaining comedy of manners and a revealing window onto the ideals and preoccupations of the Italian Renaissance at the moment of its greatest splendour.… (mais)
A carregar...

Adira ao LibraryThing para descobrir se irá gostar deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Ver também 35 menções

Mostrando 1-5 de 13 (seguinte | mostrar todos)
4/25/22
  laplantelibrary | Apr 25, 2022 |
Etwas altmodisch und in der Dialogform deshalb schwer zu lesen, aber dafür, dass das Original erstmalig 1528 veröffentlicht wurde, ist es teilweise immer noch erstaunlich aktuell. Zum Beispiel gibt es ein interessantes Zwiegespräch zur Gleichberechtigung der Frau, dass erstaunlicherweise pro Gleichberechtigung endet. Dass Tjostieren heute nicht mehr so wichtig ist, überrascht stattdessen kaum.
Kurzum - alles was man schon immer über Grandezza wissen sollte! "Dort sei man die wahre Kunst, wo man die Kunst nicht sieht!"
( )
  iffland | Mar 19, 2022 |
Dentro del género de "espejo de príncipes", tan característico del Renacimiento europeo, este es quizá el mejor, o al menos de los mejores. No tanto por el contenido en sí, un tanto tópico, sino por la forma y por los aditamentos. Toma su idea general de las "jornadas", es decir, de las reuniones de jóvenes cultos y desocupados que se dedican a contarse historias durante varios días. Aquí es un grupo de nobles, alrededor de la duquesa de Urbino, que se reunen por la noche y, para distraerse, proponen hablar sobre lo que debe tener el perfecto cortesano. Cada noche, uno de ellos deberá llevar la voz cantante, pero cualquiera podrá interrumpirle en cualquier momento, bajo la moderación de una de las damas de la duquesa. El eco del "Decamerón" es evidente, y, de hecho, Bocaccio es citado de forma repetida durante toda la obra.

Lo mejor es que todos parecen hablar con bastante libertad pero con educación y efectivamente abundan las interrupciones, los cambios de tema, las digresiones e incluso las esgrimas verbales entre los participantes. Y se habla de muchas cosas: de política, por supuesto, pero también de estética, de moral y religión (de esto último, solo un poco, para evitar problemas), de psicología... Por cierto que se le dedica toda una jornada a la "controversia de las mujeres", asunto en el que se llega a enfrentamientos muy directos entre los partidarios de la igualdad de los sexos y los partidarios de la inferioridad femenina. Pero los monólogos son constantemente interrumpidos por conversaciones rápidas, comentarios marginales, chismorreos y hasta chistes (se dedica también amplio espacio a tratar muy seriamente del uso de los chistes en política, pelota a seguir). Incluso se baila y se toca música. Estas veladas debieron ser de lo más distraídas.

No obstante, este libro se me ha hecho más difícil de lo esperado. Tiene que ver la impresión de esta edición, en letra muy pequeña (engañan las 350 páginas) y escaso margen, y quizá las circunstancias de mi lectura. Pero, pese a todos los muy loables esfuerzos del autor, lo cierto es que no acabé de cogerle el tranquillo a este libro. Todavía no sé por qué. ( )
  caflores | Mar 6, 2021 |
It's difficult to read because the sentences are excessively elegant and artificially pleasing. After several failed attempts I began to read aloud and then I was able to break through to the style and demeanor of the author and subject.

It is divided into 4 books were members of the court of Urbino discuss the qualities that make for a successful courtier.
Some, but not all of the qualities are ability to dance, play an instrument, give good advice to the Prince, compete in mock battles, and compete in real battles.

The second book is full of short entertaining stories that they find amusing. Occasionally they are funny and the stories are a good representation of comedy in the 1500s.

There are many examples of poor behavior and what the courtier should avoid.

There are examples of a successful female in court and how she should behave. One gentleman criticises women. His criticisms are valid and and he is fiercely scolded. I suspect the author included the excoriation in order to please his female readers.

The last book concerns love and raises the discourse to a lofty level concerning the value of love. ( )
  cakecop | Apr 2, 2020 |
I had to read this for a graduate class. Some of it was interesting, but the Renaissance style of rhetoric is just so drawn out. It gets old fast. It's a great resource for teaching students about the values of the court system, though. ( )
  RubyA | Mar 30, 2013 |
Mostrando 1-5 de 13 (seguinte | mostrar todos)
In the Cinquecento a genre of courtesy literature developed and resulted in the publication of a number of books of advice on the behaviour of men and women. The best-known book of this genre is Il Libro del Cortegiano by Count Baldassare Castiglione(1478–1529). The book consists of a series of fictional conversations by courtiers of Guidobaldo da Montefeltro, Duke of Urbino, that took place in 1507, while Castiglione was himself serving as attaché to the Duke. Castiglione, who was painted by Raphael, was an Italian diplomat and writer who throughout his life held a number of posts in the great courts of Italy and Spain It was upon his observations of courtly life that he based his book, first published in Italian in 1528, and translated into English as The Courtier by Sir Thomas Hoby in 1561. It is written in the form of a dialogue, and is a treatise on the accomplishments and code of behaviour essential for the ideal male and female courtier. The book was translated into several European languages and became a primer of aristocratic manners, influencing Renaissance nobility and writers throughout Europe, including, notably, the English courtier-poet Sir Philip Sidney. Apart from its importance as a practical book of etiquette, Cortegiano is a record of an important period in Renaissance civilization.
adicionada por KayCliff | editarThe Indexer, Tom Norton (Oct 1, 2006)
 

» Adicionar outros autores (22 possíveis)

Nome do autorPapelTipo de autorObra?Estado
Castiglione, BaldassareAutorautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Batchelor, PeterNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Berman, EugeneDesigner da capaautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bonora, EttoreEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bull, GeorgeTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bull, GeorgeIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Del Missier, SilvanoEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Gorey, Edwardtypographyautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hoby, ThomasTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hoeksma, J.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hollo, J. A.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mayhew, Edgar de N.Editor, illustrative materialautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Opdycke, Leonard EcksteinTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Quondam, AmedeoEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Salvadori, GiulioTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Singleton, Charles S.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Whitfield, J.H.Introduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Zijderveld, A.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Zoccola, PaoloNotesautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tem de autenticar-se para poder editar dados do Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Comum.
Título canónico
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Título original
Títulos alternativos
Informação do Conhecimento Comum em alemão. Edite para a localizar na sua língua.
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Locais importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Acontecimentos importantes
Filmes relacionados
Epígrafe
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
I have a long time douted with my self (moste loving M. Alphonsus) whiche of the two were harder for me, either to denie you the thing that you have with such instance many times required of me, or to take it in hand ...
Citações
Últimas palavras
Nota de desambiguação
Editores da Editora
Autores de citações elogiosas (normalmente na contracapa do livro)
Língua original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
DDC/MDS canónico
LCC Canónico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (1)

In The Book of the Courtier (1528), Baldesar Castiglione, a diplomat and Papal Nuncio to Rome, sets out to define the essential virtues for those at Court. In a lively series of imaginary conversations between the real-life courtiers to the Duke of Urbino, his speakers discuss qualities of noble behaviour - chiefly discretion, decorum, nonchalance and gracefulness - as well as wider questions such as the duties of a good government and the true nature of love. Castiglione's narrative power and psychological perception make this guide both an entertaining comedy of manners and a revealing window onto the ideals and preoccupations of the Italian Renaissance at the moment of its greatest splendour.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo Haiku

Current Discussions

Nenhum(a)

Capas populares

Ligações Rápidas

Avaliação

Média: (3.5)
0.5
1 4
1.5 1
2 12
2.5 1
3 38
3.5 9
4 34
4.5 4
5 19

É você?

Torne-se num Autor LibraryThing.

 

Acerca | Contacto | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blogue | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Legadas | Primeiros Críticos | Conhecimento Comum | 201,858,849 livros! | Barra de topo: Sempre visível