Página InicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquisar O Sítio Web
Este sítio web usa «cookies» para fornecer os seus serviços, para melhorar o desempenho, para analítica e (se não estiver autenticado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing está a reconhecer que leu e compreende os nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade. A sua utilização deste sítio e serviços está sujeita a essas políticas e termos.
Hide this

Resultados dos Livros Google

Carregue numa fotografia para ir para os Livros Google.

The Bluest Eye (Vintage International) por…
A carregar...

The Bluest Eye (Vintage International) (original 1970; edição 2007)

por Toni Morrison (Autor)

MembrosCríticasPopularidadeAvaliação médiaMenções
11,013200464 (3.91)522
The Bluest Eye is the story of eleven-year-old Pecola Breedlove, a black girl in an America whose love for its blonde, blue-eyed children can devastate all others, who prays for her eyes to turn blue: so that she will be beautiful, so that people will look at her, so that her world will be different. This is the story of the nightmare at the heart of her yearning, and the tragedy of its fulfillment.… (mais)
Membro:wellaubviously
Título:The Bluest Eye (Vintage International)
Autores:Toni Morrison (Autor)
Informação:Vintage (2007), Edition: Reprint, 206 pages
Colecções:A sua biblioteca
Avaliação:
Etiquetas:Nenhum(a)

Pormenores da obra

The Bluest Eye por Toni Morrison (1970)

A carregar...

Adira ao LibraryThing para descobrir se irá gostar deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Ver também 522 menções

Inglês (192)  Espanhol (4)  Sueco (1)  Francês (1)  Finlandês (1)  Todas as línguas (199)
Mostrando 1-5 de 199 (seguinte | mostrar todos)
Very character-driven and poetic, but it lost me on a few parts. ( )
  bookwyrmm | Jul 18, 2021 |
“Please, God,” she whispered into the palm of her hand. “Please make me disappear.” The emotional impact of Toni Morrison’s first novel is hard to describe. “The Bluest Eye” shows how one can learn to hate oneself. It shows exactly why representation and balance matter, without it you end up with “[t]he total absence of human recognition—the glazed separateness.” It is not an “easy” book to read, watching those who are powerless turn on those they can attack is difficult. As she writes, “for we were not strong, only aggressive; we were not free, merely licensed; we were not compassionate, we were polite; not good, but well behaved.” The insights and the beauty in the writing make it all work and make it more than worth the effort. It is not newsworthy to note what an incredible artist she was with words and with the depths of human emotion. She nails so much of our current situation with thoughts like “[h]e read greedily but understood selectively, choosing the bits and pieces of other men’s ideas that supported whatever predilection he had at the moment.” The main thrust of the novel is about the idea of beauty, who gets to decide it and what is really worth in the end? But instead of me trying to say it, let’s close with Ms. Morrison’s amazing words. “Along with the idea of romantic love, she was introduced to another—physical beauty. Probably the most destructive ideas in the history of human thought. Both originated in envy, thrived in insecurity, and ended in disillusion.” ( )
  MarkMad | Jul 14, 2021 |
This book is devastatingly sad, which is the only reason I did not give it five stars. It is heartwrenching, thought-provoking, and inventive. ( )
  jgmencarini | Jul 11, 2021 |
Toni Morrison's first book is a marvel. It examines the many issues, such as race, class, gender, and age, with a focus on how blacks are oppressed by traditional ideals of beauty (blue eyes, straight blond hair.) Set in the industrial town of Lorain, Ohio, where many Southern blacks migrated for a better life, Morrison uses the lives and thoughts of the central characters of her book to create animosity and schisms. These characters range widely in age, gender, intelligence, etc. The book is intense and dark, and skips around quite a bit, leaving the reader to pull together on her or his own what messages are intended. ( )
  skipstern | Jul 11, 2021 |
This would have been largely a punishing read--nearly all of the characters exist in misery with little-to-no redemption or celebration--but for Morrison's masterful storytelling. I went into the book expecting one thing and got something else wholly different. Throughout the book, I kept imagining the process of French braiding. From the start, we know what's going to happen, but Morrison is going to spend most of the time before we get there adding piece upon piece to the narrative. Building context. Slowly mounting. The final chapter is possibly the most powerful denouement I've ever read. I am embarrassed that I've gone this long as an avid reader without having read any of Morrison's novels, but I am equally excited to finally be on that road to experience more of her work. ( )
  LibroLindsay | Jun 18, 2021 |
Mostrando 1-5 de 199 (seguinte | mostrar todos)
I have said "poetry." But "The Bluest Eye" is also history, sociology, folklore, nightmare and music. It is one thing to state that we have institutionalized waste, that children suffocate under mountains of merchandised lies. It is another thing to demonstrate that waste, to re-create those children, to live and die by it. Miss Morrison's angry sadness overwhelms.
adicionada por jlelliott | editarThe New York Times, John Leonard (Nov 13, 1970)
 

» Adicionar outros autores (10 possíveis)

Nome do autorPapelTipo de autorObra?Estado
Morrison, Toniautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Žantovský, MichaelTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Balacco, LuisaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bofill, MireiaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Cousté, AlbertoIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Dee, RubyNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Dorsman-Vos, W.A.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hallén, KerstinTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Häupl, MichaelPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Lázár JúliaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Pilz, ThomasTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Rademacher, SusannaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Schmidt-Dengler, WendelinPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Schneider, HelmutContribuidorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Thigpen, LynneNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Vink, Nettieautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tem de autenticar-se para poder editar dados do Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Comum.
Título canónico
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Locais importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Acontecimentos importantes
Filmes relacionados
Prémios e menções honrosas
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Dedicatória
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
To the two who gave me life
and the one who made me free
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Quiet as it's kept, there were no marigolds in the fall of 1941.
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
And it is the blackness that accounts for, that creates,the vacuum edged with distaste in white eyes.
But we listened for the one who would say, “Poor little girl,” or, “Poor baby,” but there was only head-wagging where those words should have been. We looked for eyes creased with concern, but saw only veils.
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Carregue para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Nota de desambiguação
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Please distinguish between this complete 1970 novel and any abridgement of the original Work. Thank you.
Editores da Editora
Autores de citações elogiosas (normalmente na contracapa do livro)
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Língua original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
DDC/MDS canónico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (1)

The Bluest Eye is the story of eleven-year-old Pecola Breedlove, a black girl in an America whose love for its blonde, blue-eyed children can devastate all others, who prays for her eyes to turn blue: so that she will be beautiful, so that people will look at her, so that her world will be different. This is the story of the nightmare at the heart of her yearning, and the tragedy of its fulfillment.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo Haiku

Ligações Rápidas

Capas populares

Avaliação

Média: (3.91)
0.5 6
1 38
1.5 10
2 121
2.5 23
3 477
3.5 112
4 837
4.5 92
5 709

É você?

Torne-se num Autor LibraryThing.

 

Acerca | Contacto | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blogue | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Legadas | Primeiros Críticos | Conhecimento Comum | 160,485,355 livros! | Barra de topo: Sempre visível