Página InicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquisar O Sítio Web
Este sítio web usa «cookies» para fornecer os seus serviços, para melhorar o desempenho, para analítica e (se não estiver autenticado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing está a reconhecer que leu e compreende os nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade. A sua utilização deste sítio e serviços está sujeita a essas políticas e termos.
Hide this

Resultados dos Livros Google

Carregue numa fotografia para ir para os Livros Google.

The Kama Sutra of Vatsyayana por Vatsyayana
A carregar...

The Kama Sutra of Vatsyayana (edição 2009)

por Vatsyayana

MembrosCríticasPopularidadeAvaliação médiaMenções
1,894226,703 (3.1)38
'When the wheel of sexual ecstasy is in full motion, there is no textbook at all, and no order.'The Kamasutra is the oldest extant Hindu textbook of erotic love. It is about the art of living - about finding a partner, maintaining power in a marriage, committing adultery, living as or with a courtesan, using drugs - and also about the positions in sexual intercourse. It was composed inSanskrit, the literary language of ancient India, sometime in the third century CE. It combines an encyclopaedic coverage of all imaginable aspects of sex with a closely observed sexual psychology and a dramatic, novelistic narrative of seduction, consummation, and disentanglement. Best known inEnglish through the highly mannered, padded, and inaccurate nineteenth-century translation of Sir Richard Burton, the text is presented here in an entirely new translation into clear, vivid, sexually frank English, together with three commentaries: translated excerpts from the earliest and mostfamous Sanskrit commentary (13th century) and from a twentieth-century Hindi commentary, and explanatory notes by the two translators.… (mais)
Membro:adrian142
Título:The Kama Sutra of Vatsyayana
Autores:Vatsyayana
Informação:Echo Library (2009), Paperback, 152 pages
Colecções:A sua biblioteca
Avaliação:
Etiquetas:Nenhum(a)

Pormenores da obra

The Kama Sutra of Vatsyayana por Vatsyayana

A carregar...

Adira ao LibraryThing para descobrir se irá gostar deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Ver também 38 menções

Inglês (16)  Francês (2)  Italiano (1)  Português (1)  Espanhol (1)  Holandês (1)  Todas as línguas (22)
Mostrando 1-5 de 22 (seguinte | mostrar todos)
Classics
  hpryor | Aug 8, 2021 |
Ancient Indic sex instruction manual, with a surprising amount of time devoted to pleasure for the female. ( )
  LindaLeeJacobs | Feb 15, 2020 |
> Appelés également "livres de l’amour", les Kâma Sûtra sont très vite apparus, du fait de leur imagerie consacrée à l’union sexuelle, comme un manuel d’érotologie orientale. Dans cette édition, sont mises en exergue des miniatures érotiques indiennes du XVIIe et du XVIIIe siècle, photographiées par Roland et Sabrina Michaud. Le texte qui les accompagne est directement traduit du sanscrit par Jean Papin. Il reprend la version intégrale de la compilation qu’avait faite Vatsyayana des différents ouvrages d’érotologie indienne. Tableau de l’art de vivre, de l’amour, de l’érotisme, les Kâma Sûtra sont également une mine d’informations sur les fondements de la religion ainsi que sur la société indienne. Présenté dans une intelligente mise en page, l’ouvrage proposé par les éditions Zulma ravira les inconditionnels de l’érotisme autant que ceux qui souhaitent découvrir une Inde secrète. --Astrid Schilling, Amazon.fr

> « Le Kâma Sûtra - Le bréviaire de l'amour » Traité d'érotisme de Vatsyâyana Traduction de Alain DANIÉLOU (1992 - Ed. du Rocher - 620 p.)
Le Kâma Sûtra envisage sans ambiguïté ni tabous tous les aspects de la sexualité qu’il s’agisse de la vie conjugale ou de l’adultère, de la prostitution, de l’homosexualité masculine ou féminine, du sexe de groupe ou du sadomasochisme.
Il n’existait aucune traduction complète du Kama Sûtra et de ses commentaires. Alain Daniélou entreprit dès 1980 la traduction du Kama Sûtra qu’il acheva quatre ans plus tard.
Ce texte célèbre est une compilation datant du IVe siècle de notre ère d’une série d’ouvrages plus anciens souvent cités dans les commentaires. --Revue 3e millénaire, Été 1992
  Joop-le-philosophe | Feb 13, 2019 |
KAMASUTRA

PRÓLOGO

El amor como ciencia.

A los europeos nos ha gustado creer que éramos casi los
únicos habitantes de la Tierra y, desde luego, los únicos importantes.

Asi, sólo contaban nuestra arquitectura, nuestra técnica y
nuestra civilización. Imaginábamos ser la cúspide del desarrollo
humano y, a los demás, únicamente había que tenerles en cuenta
en la medida que se parecian a nosotros. Prueba de esto que
decimos es que en los libros de historia se trata de los otros pueblos,
asiáticos o africanos, tan sólo como apéndices y, simplemente,
a partir de cuando habíamos entrado en contacto con ellos.

Si en la actualidad se ha cambiado un poco de criterio, no se
debe a que haya variado nuestra mentalidad, sino a que ellos han
abandonado su actitud pasiva.

Este desprecio por las culturas antiguas, como, por ejemplo,
la china y la hindú, que nos superan en varios siglos, nos ha llevado,
con frecuencia, a inventar las sopas de ajo. Al fin y al cabo, las
culturas, al transmitirse, contribuyen a que se vayan quemando
etapas y que se avance en los conocirnientos de toda índole.

Al no querer aprender de ellos, por considerarles salvajes y
atrasados, hemos tenido, muchas veces, que descubrir lo que ya
estaba descubierto, cosa que, naturalmente, significa un retraso y
el que se mantengan numerosos problemas que, de otro modo, se
hubieran solucionado antes.

Así nos encontramos con que los médicos comienzan a recurrir
aunque sea de manera experimental, a la acupuntura china y
con que bastantes neurólogos recomiendan el yoga para apaciguar
nuestros ánimos alterados por un mundo casi inhabitable...
  FundacionRosacruz | Jun 21, 2018 |
Un libro di fama planetaria non abbisogna di recensioni in nessuna lingua ... ( )
  AntonioGallo | Nov 2, 2017 |
Mostrando 1-5 de 22 (seguinte | mostrar todos)
sem críticas | adicionar uma crítica

» Adicionar outros autores (86 possíveis)

Nome do autorPapelTipo de autorObra?Estado
Vatsyayanaautor principaltodas as ediçõescalculated
Arbuthnot, F. F.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Archer, W. G.Editorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Burton, Richard FrancisTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Chaitanya, B.Introduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Delfos, GillesIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Kliphuis, J.F.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Lamairesse, E.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Panikkar, K. M.Introduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Rau, Santha RamaPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Sade, D.A.F. deContribuidorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Spellman, John W.Introduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tieken, HermanTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tem de autenticar-se para poder editar dados do Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Comum.
Título canónico
Título original
Títulos alternativos
Informação do Conhecimento Comum em holandês. Edite para a localizar na sua língua.
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Locais importantes
Acontecimentos importantes
Filmes relacionados
Prémios e menções honrosas
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
In the beginning, the Lord of Beings created men and women, and in the form of commandments in one hundred thousand chapters laid down rules for regulating their existence with regard to Dharma, Artha, and Kama.
Citações
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Carregue para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Nota de desambiguação
Editores da Editora
Autores de citações elogiosas (normalmente na contracapa do livro)
Língua original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
DDC/MDS canónico
Canonical LCC

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (2)

'When the wheel of sexual ecstasy is in full motion, there is no textbook at all, and no order.'The Kamasutra is the oldest extant Hindu textbook of erotic love. It is about the art of living - about finding a partner, maintaining power in a marriage, committing adultery, living as or with a courtesan, using drugs - and also about the positions in sexual intercourse. It was composed inSanskrit, the literary language of ancient India, sometime in the third century CE. It combines an encyclopaedic coverage of all imaginable aspects of sex with a closely observed sexual psychology and a dramatic, novelistic narrative of seduction, consummation, and disentanglement. Best known inEnglish through the highly mannered, padded, and inaccurate nineteenth-century translation of Sir Richard Burton, the text is presented here in an entirely new translation into clear, vivid, sexually frank English, together with three commentaries: translated excerpts from the earliest and mostfamous Sanskrit commentary (13th century) and from a twentieth-century Hindi commentary, and explanatory notes by the two translators.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo Haiku

Capas populares

Ligações Rápidas

Avaliação

Média: (3.1)
0.5 5
1 8
1.5 1
2 18
2.5 3
3 42
3.5 4
4 37
4.5 2
5 10

É você?

Torne-se num Autor LibraryThing.

Penguin Australia

3 edições deste livro foram publicadas por Penguin Australia.

Edições: 1405329890, 1846141095, 0140455582

YogaVidya.com

2 edições deste livro foram publicadas por YogaVidya.com.

Edições: 0971646694, 0971646686

 

Acerca | Contacto | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blogue | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Legadas | Primeiros Críticos | Conhecimento Comum | 162,194,443 livros! | Barra de topo: Sempre visível