Página InicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquisar O Sítio Web
Este sítio web usa «cookies» para fornecer os seus serviços, para melhorar o desempenho, para analítica e (se não estiver autenticado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing está a reconhecer que leu e compreende os nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade. A sua utilização deste sítio e serviços está sujeita a essas políticas e termos.
Hide this

Resultados dos Livros Google

Carregue numa fotografia para ir para os Livros Google.

Der Ekel por Jean-Paul Sartre
A carregar...

Der Ekel (original 1938; edição 1963)

por Jean-Paul Sartre, Uli Aumüller (Übersetzer)

MembrosCríticasPopularidadeAvaliação médiaMenções
8,52266706 (3.77)159
Nausea is the story of Antoine Roquentin, a French writer who is horrified at his own existence. In impressionistic, diary form he ruthlessly catalogs his every feeling and sensation. His thoughts culminate in a pervasive, overpowering feeling of nausea which "spreads at the bottom of the viscous puddle, at the bottom of our time -- the time of purple suspenders and broken chair seats; it is made of wide, soft instants, spreading at the edge, like an oil stain."Winner of the 1964 Nobel Prize in Literature (though he declined to accept it), Jean-Paul Sartre -- philosopher, critic, novelist, and dramatist -- holds a position of singular eminence in the world of French letters. La Nausee, his first and best novel, is a landmark in Existential fiction and a key work of the twentieth century.… (mais)
Membro:metamorphoserl
Título:Der Ekel
Autores:Jean-Paul Sartre
Outros autores:Uli Aumüller (Übersetzer)
Informação:rororo (1963), Ausgabe: 55, Taschenbuch, 352 Seiten
Colecções:A sua biblioteca
Avaliação:
Etiquetas:Nenhum(a)

Pormenores da obra

Nausea por Jean-Paul Sartre (Author) (1938)

  1. 40
    Notes from Underground por Fyodor Dostoyevsky (trillkhidr)
    trillkhidr: Perhaps an obvious connection, but one that I nevertheless could not fail to return to again and again throughout my reading of Nausea. Is Antoine a man underground?
  2. 30
    The Stranger por Albert Camus (roby72)
  3. 20
    The Words por Jean-Paul Sartre (John_Vaughan, John_Vaughan)
  4. 10
    The Doors of Perception por Aldous Huxley (kaityjames)
    kaityjames: Huxley views art as a pale imitation of objects as they ARE; Sartre finds existence disgusting and obscene, and art as a beautiful form above and beyond reality. Definitely compatible if you can dig Sartre's dark, existential language.
  5. 10
    Homo Faber por Max Frisch (thecoroner)
  6. 10
    The Notebooks of Malte Laurids Brigge por Rainer Maria Rilke (roby72)
  7. 10
    The Moviegoer por Walker Percy (erezv)
  8. 00
    The Time of Indifference por Alberto Moravia (JuliaMaria)
  9. 00
    Les Mains Sales de Jean-Paul Sartre por Marc Buffat (John_Vaughan)
  10. 00
    Journey to the End of the Night por Louis-Ferdinand Céline (thecoroner)
  11. 00
    The Passion According to G.H. por Clarice Lispector (Mouseear)
  12. 00
    The Remains of the Day por Kazuo Ishiguro (SamuelW)
    SamuelW: Although The Remains of the Day has none of Nausea's philosophical depth, there are close similarities in theme, plot and technique which make the two books a remarkable pair.
  13. 01
    Dead Certainties : Unwarranted Speculations por Simon Schama (Sea92)
    Sea92: Nausea is more of a philosophical work, but both authors explore chasm between the reality of the past and history as it is written. These are issues that historians must deal with.
A carregar...

Adira ao LibraryThing para descobrir se irá gostar deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Ver também 159 menções

Inglês (47)  Italiano (5)  Sueco (3)  Espanhol (3)  Francês (2)  Português (Brasil) (2)  Holandês (1)  Alemão (1)  Finlandês (1)  Todos (1)  Todas as línguas (66)
Mostrando 1-5 de 66 (seguinte | mostrar todos)
Più che un libro, più che una storia, Sartre, attraverso le esperienze del protagonista Roquentin sembra voler stender un ompiuto manifesto della sua concezione esistenzialista. La Nausea che affligge il protagonista, incapacendi trarre emozione da una vita che gli appare senza scopo e senza senso, giunge a un punto di svolta nel momento in cui Roquentin stesso realizza quanto l'in sé che lo circonda può divenir altro grazie all'attribuzione di un significato specifico, che trascende dalla natura stessa di oggetti e persone per giunger ad acquisire uno status più ampio e articolato. Il mondo subisce, allora, la potenza nullificatrice del protagonista e muta in qualcosa che possa rivestire un senso preciso e, di conseguenza, concedere anche alla vita stessa. ( )
  Carlomascellani73 | Apr 5, 2021 |
A book I acquired and grimly took out to read ("I'll do a few pages a day..if I can manage it") ..and read the whole thing in three days. And it's BRILLIANT, though I can't pretend I "got" all of it...and even as you finish it, you realise you could reread it and study it for years....
But as a bog standard, lowbrow reader...this is a pretty accessible work, considering the subject matter. In a diary, our narrator records his daily life. Nothing outstanding- he writes a biography in a library, mooches about, recalls an old love...
But the diary is purely a vehicle to get the reader contemplating existentialism. And here one has to try and slide into another dimension. Though many of Sartre's musings may well be familiar...Theyre the kind of things that occur to us but we never mention them. Theyre too hard to explain...
Ever stared hard at an everyday word and thought it looked ...weird? Looked at a photo of a distant place and thought "I was there once! At a specific time ...I'm not now." You look at a wave crashing...gone...gone where? A particular group of people coming together on the bus...theyll never replicate that pattern again. Photos of long-dead people...so alive...where are they? You do something wrong...if I could go back and re-live it, do it different....Time travel, death, the ephemerality of life...

Sartre does crank it up to visions of a Salvador Dali type of world by the end, and he'd pretty much lost me by then. I kept thinking one could make the jump from existentialism to religion, though I don't think that's what the author was aiming for.

I'm glad I read it. I shall keep it, along with two other challenging, must-try-it-again-one-day books (Kafka and "Linguistics: A Hallidayan Approach ") and MAYBE have another crack at it sometime. ( )
  starbox | Mar 12, 2021 |
a godless french historian has a quarter life crisis. he takes walks and hangs about in cafes. later he goes to paris.
  CLARPUS | Feb 25, 2021 |
Oddly enough, I never finished Nausea. I just got sick of it.
  octoberdad | Dec 16, 2020 |
> LES LETTRES Jean-Paul SARTRE : La Nausée
In: Robin ARMAND, Revue Esprit (1932-1939), Vol. 6, No. 70 (1er Juillet 1938), pp. 574-575… ; (en ligne),
URL : https://esprit.presse.fr/article/robin-armand/les-lettres-jean-paul-sartre-la-na...

> La Nausée, de Jean-Paul Sartre « L'existence, mode d'emploi »
Se reporter au compte rendu de Pierre MONETTE
In: Monette, P. (2006). Compte rendu de [La Nausée, de Jean-Paul Sartre : l’existence, mode d’emploi]. Entre les lignes, 2 (3), pp. 42–43… ; (en ligne),
URL : https://id.erudit.org/iderudit/10936ac
  Joop-le-philosophe | Sep 13, 2020 |
Mostrando 1-5 de 66 (seguinte | mostrar todos)
Sartre's name, I understand, is associated with a fashionable brand of cafe philosophy and since for every so-called "existentialist" one finds quite a few "suctorialists" (if I may coin a polite term), this made-in- England translation of Sartre's first novel, "La Nausée" (published in Paris in 1938) should enjoy some success. It is hard to imagine except in a farce) a dentist persistently pulling out the wrong tooth. Publishers and translators, however, seem to get away with something of that sort. Lack of space limits me to only these examples of Mr. Alexander's blunders.
adicionada por John_Vaughan | editarNY Times, VLADIMIR NABOKOV (Jun 2, 2012)
 

» Adicionar outros autores (31 possíveis)

Nome do autorPapelTipo de autorObra?Estado
Sartre, Jean-PaulAutorautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Aardweg, H.P. v.d.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Alexander, LloydTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Baldick, RobertTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bernárdez, AuroraTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bernárdez, AuroraTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Carp, E. A. D. E.Introduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Carruth, HaydenIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Caruso, PaoloContribuidorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Cosman, CarolTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Fonzi, BrunoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mañas, José ÁngelPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mannerkorpi, JuhaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tem de autenticar-se para poder editar dados do Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Comum.
Título canónico
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Locais importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Acontecimentos importantes
Filmes relacionados
Prémios e menções honrosas
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
'He is a fellow without any collective significance, barely an individual.'
L. F. Céline, The Church
Dedicatória
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
TO THE BEAVER
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
These notebooks were found among the papers of Antoine Roquentin. ("Editors' Note")
The best thing would be to write down events from day to day.
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
"I live in the past. I take everything that has happened to me and arrange it. From a distance like that, it doesn't do any harm, you'd almost let yourself be caught in it. Our whole story is fairly beautiful. I give it a few prods and it makes a whole string of perfect moments. Then I close my eyes and try to imagine that I'm still living inside it."
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Carregue para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Nota de desambiguação
Editores da Editora
Autores de citações elogiosas (normalmente na contracapa do livro)
Língua original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
DDC/MDS canónico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (1)

Nausea is the story of Antoine Roquentin, a French writer who is horrified at his own existence. In impressionistic, diary form he ruthlessly catalogs his every feeling and sensation. His thoughts culminate in a pervasive, overpowering feeling of nausea which "spreads at the bottom of the viscous puddle, at the bottom of our time -- the time of purple suspenders and broken chair seats; it is made of wide, soft instants, spreading at the edge, like an oil stain."Winner of the 1964 Nobel Prize in Literature (though he declined to accept it), Jean-Paul Sartre -- philosopher, critic, novelist, and dramatist -- holds a position of singular eminence in the world of French letters. La Nausee, his first and best novel, is a landmark in Existential fiction and a key work of the twentieth century.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo Haiku

Ligações Rápidas

Capas populares

Avaliação

Média: (3.77)
0.5 5
1 34
1.5 5
2 100
2.5 18
3 354
3.5 86
4 482
4.5 56
5 377

Penguin Australia

2 edições deste livro foram publicadas por Penguin Australia.

Edições: 014118549X, 0141194847

É você?

Torne-se num Autor LibraryThing.

 

Acerca | Contacto | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blogue | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Legadas | Primeiros Críticos | Conhecimento Comum | 159,239,407 livros! | Barra de topo: Sempre visível